sabato, maggio 03, 2008

Vontade dos discursos descabidos em tardes faceiras...




Nos reunimos para matar saudade dos velhos tempos de janta com a comida da Susana, com o negrinho de sobremesa e para falar dos outros. Ok, mas depois de muito "criticar" os que não estavam presente e o que eles estariam fazendo começamos a falar da gente. Sim, da nossa trajetória e principalmente dos nossos defeitos. 2 meses de formados, 4 anos de colegas, quantas histórias, algumas que nem fazia idéia que ainda existiam nas nossas memórias. Parecia que tínhamos feito cursos diferentes. Comentávamos das aulas e dos discursos exagerados e inflamados, do meu texto de três página horrível, dos meus atrasos nos trabalhos, nos meus exames, das minhas críticas ferrenhas que até fariam colegas chorar...dos meus erros, e quantos deles...Falei deles também, mas virginianos sempre são alvos mais interessantes de se atacar.

Tudo bem, eu permitia. E ela repetiu: a Fran sempre tinha um discurso novo a cada dia (hahaha) os outros concordaram, e meu ego ferido se retirou para lavar a louça. Porém, depois de muita reflexão entre espuma, prato sujo, e toalha gordurosa, voltei a sala e os convenci que neste tempo eu era bem mais feliz, era bem mais audaciosa, bem mais sonhadora e por isso os trilhos tinham bem mais sentido. Agora, acordar, trabalhar, voltar para casa, projetar coisas vagas, durmir, ter pesadelos não tem sido nada divertido, mesmo que hoje segundo a Anaqueli eu seja uma pessoa bem mais centrada...

Foda-se a centralidade das coisas, foda-se a formalidade do mundo, prefiro passar horas no RU filosofando e projetando discursos absurdos mesmo que amanhã o caminho já seja outro...Eles continuam aqui do lado assistindo filme e eu preciso escrever (rrrrrrrrrr, meu texto jornalístico é um lixo).

3 commenti:

Banlieue ha detto...

Ah, pára com isso Alemoa... teu texto jornalístico não é um lixo coisa nenhuma. A propósito, o que é texto jornalístico? hehehe

E diminui esse teu ego, passa uma esponjinha nele, porque tuas críticas nunca fizeram ninguém chorar (fazem no máximo, uma hiena rir) hahahaha... brincadeira!

Um beijo Alemoa. Saudades

Augusto M. Paim, vulgo Augustóteles ha detto...

Fazia tempo que não passava aqui. Agora, tendo a concordar com este post. Foi o "foda-se" mais coerente que já li. Ehehehe.
Beijão, Fran.

Francieli Rebelatto ha detto...

Opa, mas olha só quem apareceu por aqui:
O Tiagão grande jornalistas, grande Colorado( rrrrrrrr). Estás sendo generoso como sempre por que meu texto ao menos em "moldes jornalístico" é um lixo sim, a colegas que podem dizer...e não te preocupa não foste um dos nomes difamados da nossa noite...hehehe...o povo que adora falar...
Quando ao meu ego, bem sabes que sou muito eguda mesmo, não tem como mudar...e nem vem com essa que eu fiz gente chorar sim, e como...Mas enfim, foram 4 anos e agora passou, muitas coisas agradeço imensamente por ter passado mesmo...

Já o Augusto foi comentado na nossa reunião e como não tinha o encontrado durante a tarde...heheh....mas o comentário se restrinjiu ele continua gordo, heheheh....(brincadeira Augusto e obrigada pela visita).

Beijos, queridos, um imenso prazer tê-los por aqui...