martedì, luglio 10, 2007

Na linha? Do Metrô, só se for!!!

Foto: Leonel Henckes

Estava frio! Mesmo assim meus ombros permaneciam descobertos. O metrô andava depressa entre o Aeroporto e a parada que tinha que descer. Mas te vejo pelo vidro entre um vagão e outro. Aproximava-se!

Eu suei a mão como de costume. Estávamos longe nesses últimos dias é fato, mal me lembrava do nosso último beijo, mas seria capaz de descrever cada detalhe dos teus traços e dos teus sabores.

As pessoas ao redor ficaram curiosas ao ver nossa aproximação, ao mesmo tempo paracem que não nos viam, se que era possível dizer que ainda existia alguma coisa entre nós. Mas você levemente me abraçou e me beijou o ombro, o pescoço. E então entrou de novo na minha vida!

O metrô parou, tinha que descer, você ficou e eu entre a harmoniosa sensação dos teus lábios e da angustiante sensação do metrô que andava para longe, bem longe...

Acordei, terça-feira de manhã, estava em Santa Maria e o metrô? Estava bem mais longe, teus beijos guardo comigo, nos meus ombros, nos meus cheiros

3 commenti:

Bia ha detto...

há amores, sabores e cheiros que se guardam pela vida fora, e um dia quando nos cruzarmos outrs vez no metro ou noutro sitio reconhcemo-os imediatamente porque são únicos e nos fizeram as delicias de um momento...
beijo meu

Secreta ha detto...

Momentos , partilhas e sentires inesqueciveis!
Beijito.

serenidade ha detto...

A vida é mesmo assim, um metro que anda de paragem em paragem, nas quais por vezes entram pessoas noutras saem, mas mesmo na distância quando existe amor ... perdura a lembrança e a sensção de o ter perto.
Espero que muito em breve a distância se encurte.

Serenos sorrisos.