domenica, febbraio 04, 2007

Quem é ela?

Os curiosos sempre me perguntam quem é ela. Descritas em minhas poesias, dona das palavras mais fortes, dos sentimentos mais verdadeiros. A única que assume suas fraquezas, suas debilidades, que grita o que ninguém quer ouvir, mas todos sabem que um dia terão que escutar.

Fotos: Francieli Rebelatto

Pois me perguntam caros leitores, quem é Satania? E eu que aqui esparramo esses devaneios desdobro palavras para não desvendar esse mistério. Mas saibam que estou farta e decidi então contar quem é Satania.

Querem mesmo saber? Vocês estão preparados para isso? Isso, você mesmo que está aqui a me ler, que quem sabe tenta ler a tua própria vida. Você que me lê por que gosta de minhas poesias, por que gosta da minha vida, ou apenas você que gostaria do meu caminho, ou que desafiaria meu destino. Você que me espreita sem sentido, ou então que apenas devaneia comigo. Sim, é você quero que saiba quem é a verdadeira Satania.

Recebi um dia, uma longa carta, a mais verdadeira da minha vida, nela estava a descrição da minha Satania. Chorei, li, reli, escrevi, tentei. Estava ali descrita com minuciosidades, era ela, era eu, era você. Como ser Satania, então? Vamos ao teste: Já sentiste uma dor lá no fundinho do peito, aquela que da uma coceira longa? Já deitou no sofá encolhido e ficou com medo da porta ser aberta? Já tremeu a perna ao ver olhos misteriosos na tua frente? Já chorou ao fim da tarde por ver lembranças do que se foi? Já tomou banho cantando a própria tristeza? Já riu das dificuldades ao acreditar que um dia tudo isso será uma grande piada? Já se olhou no espelho e te assustou com o que viu? Já se achou gordo, e no outro dia vazio? Já sentiu vontade de botar uma mochila nas costas e ser você mesmo? Já se indignou com uma criança cantando na galeria, ao mesmo tempo que apreciava a canção?


Enfim, enumeraria inúmeras possibilidades de ser Satania, de reconhecê-la. Daria motivos para adimirá-la. Mas satania é isso, é meu eu poético, é teu eu poético. É minhas lágrimas, minhas tristezas, minhas angústias, é minha energia, meu tesão, meu coração. É o que sente, é que sou, é o que você é.

Satania é poesia, é vida, é lágrima, é intensidade, por fim, é insanidade. Satania é muito mais que tudo isso, é o que me permite escrever, é o que me permite ser eu mesma. Satania é então, a prostituta respeitosa e nada mais.

6 commenti:

rui ha detto...

Olá Francieli

Adorei seus devaneios sobre o mistério da personalidade que te faz sentir a poesia.
Simplesmente lindo.

Beijinhos

Klatuu o embuçado ha detto...

Nos alter-egos procuramos sondar o que somos... ou nos obrigamos a ser... mas também existimos em universos paralelos... ocultos.

Dark kiss.

arritmico-mano ha detto...

que a satania que cá mora seja sempre um ponto de partida para as tantas coisas boas que vão aparecendo à medida que se sái do fundo...



a satania na palavra, na outra certos traços indefiníveis...

Nelson Ngungu Rossano ha detto...

Lá de angola há uma música em que determinado individuo se questiona:
"quem é ela mama?, quem é ela mama?" quem era aquela misteriosa mulher el perguntava à mãe.

Adorei as palavras vivas do teu blog*****************

pensamentos_vagabundos ha detto...

sempre bela.....
beijo vagabundo

João Cordeiro ha detto...

Olá,
Que posso eu dizer se os meus olhos não falam!
Transmitem emoções, a essa beleza inconfundível
que as palavras me transmitem
Aqui estou eu para te dar o meu apoio e solidariedade
Soberbo... continua…
Meu blog:
http://www.sonhadoremfulltime.blogspot.com/