martedì, maggio 15, 2007

Alucinações no céu e cá comigo!!!

Foto: Fran Rebelatto


Alucinações
Aos poucos desvenda-se
Tudo vai indo assim minuciosamente declarado

Sua força.
Sua essência
Torno-me feliz
Invade minhas sensações

Torpor de prazer
A testa
E a cumplicidade
A música, a não música...

Palavras, mais palavras
Divagações
Somos poucos
Somos o improvável

Choramos
Por teu filho, meu filho
Choramos pelo mundo
E por não termos nele lugar


Você então vai
Como você todos os poucos
Voltar, para o nosso refúgio
Para nosso diálogo inquietante.

Matar, cortar a garganta
Cortas os pulsos
Se desvincilhar do desejo
Da perfeição
Somos nada, então

Aceitamos, por fim,
E choramos sempre
Me entorpeço de músicas,
Canções afinal
Eles morreram, mas pensaram que nem nós

Morreríamos, então???
Mas e nossos filhos???

7 commenti:

Estranha pessoa esta ha detto...

E doí não termos lugar nesse 'mundo'...

Restanos as Alucinações!
Os momentos ... 'cá comigo'.


Nunca te disse mas, gosto muito das tuas fotografias... muito mesmo!
Revela sentimento.

Um abraço enorme para ti aqui deste lado do Atlantico **

Francieli Rebelatto ha detto...

Obrigada estranha por sempre passar por aqui e dividir comigo tuas palavras...Inclusive adoro muito tuas palavras e teus loucos devaneios, me faz passar por lá...

E deste lado do Atlântico tb lhe mando um beijo e quem sabe em breve daquele lado do Atlântico estarei...

Beijos!!!

serenidade ha detto...

A vida é feita de ciclos, não se trata de alucinações, por vezes parecem mas não. Por vezes viajamos para lá o que é-nos palpável, parecendo alucinação, ilusão e voltamos, pisamos os pés em terra e vemos o que não queremos, então preferimo ir novamente, mas neste momento a nossa missão é viver na matéria, é um desafio a que nos propusemos e porque somos capazes...

Bonito...sentido...

Bom fim de semana.

Serenos sorrisos

serenidade ha detto...
Questo commento è stato eliminato dall'autore.
Sandokan ha detto...

Eu sou o GUERREIRO LUZ , porque sonho. Sem sonhos, as pedras do caminho tornam-se montanhas, os pequenos problemas são insuperáveis, as perdas são insuportáveis, as decepções transformam-se em golpes fatais e os desafios em fonte de medo.

Liberta a tua criatividade e acredita, também, no GUERREIRO LOBO. Tu és uma pérola única no TEATRO DA VIDA.

Não vivo de pesadelos. Tenho sonhos como qualquer ser humano que procura a luz que nos guia. A vida envia-nos muitos sinais, basta estar atento e procurá-los à nossa volta.São muitos e enviados das mais diversas maneiras. Por isso sou um GUERREIRO LOBO que, mantendo a calma, sabe esperar e nunca ter medo.

Abri há pouco a janela
do meu quarto minguado,
entrou o vento
soprando forte
trazendo uma trova
e uma canção
com um refrão tão triste
que diz
que nunca mais te encontrarei.

Parti como um louco,
gemendo e chorando
e à tua porta bati.
Apareceste-me
bela e singela
com a tua leve candura
na face tinhas a lágrima da
desventura.

Soltei um grito de pânico,
que atravessou o oceano
e num rochedo fez eco
levado pelos anjos
que partiram para sempre.

Grito agudo e
lancinante
que transporto sempre no peito
deixando amargas liras
e a saudade de te ver.
Perdi-te meu AMOR.

Meus amigos e amigas: Aceitai o medo como que ele faça parte integrante das nossas vidas. Aceitai-o, mas não tenhais receio de AMAR. Aceitai especialmente o medo da mudança, mas saibamos caminhar sempre em frente apesar do bater do nosso coração nos lançar um grito lancinante como que a dizer: VOLTA PARA TRÁS!
As trevas da noite caem, mas a manhã volta de novo ainda mais brilhante.
Manteremos viva a nossa ESPERANÇA.

Com especial carinho para ti, dedico este meu poema.

Sou um GUERREIRO LOBO que habita as paragens das caçadas eternas do bosque da felicidade, o "nosso" :

http://lusoprosecontras.blogspot.com

Vinde até ele ouvir a minha história. É uma história de um Povo, e o Povo é simples como eu.

Deixo-te aqui, neste teu cantinho maravilhoso, um grande abraço de Amizade.

SANDOKAN

delusions ha detto...

"Matar, cortar a garganta
Cortas os pulsos
Se desvincilhar do desejo
Da perfeição
Somos nada, então

Aceitamos, por fim,
E choramos sempre
Me entorpeço de músicas,
Canções afinal"

Alucinações...Realidade(s) que reconhecemos finalmente.
adorei o post está genial.

Bjs*
Boa semana

ClariDeggeroni ha detto...

Realmente, um belo texto. Ainda bem que eu li hoje porque ontem teria desabado. Teria sido pesado para a minha fraqueza.
A idéia principal me fez lembrar uns versos de um poeminha que eu fiz bem nova, diz mais menos assim:
Eu, e todos aqueles que sonham demais/
Vivemos no limiar de alguma galáxia irreal.

Tá, são meio idiotas os versinhos, mas essa frase me ficou na cabeça, por que quando saímos da infância, buscamos o nosso lugar no mundo como se fossemos uma parte de uma quebra-cabeça tentando encontrar um lugar onde se encaixe. Mas percebemos que para manter a coerência entre o que ansiamos e conquistamos, ser uma peça do quebra-cabeça é sinal de estaticidade, e me aventuro a dizer, de morte (que na maioria das vezes é simbólica). Acho que isso causa a sensação de que não há lugar para a gente.
Por hora, vou parar de devanear. As metáforas que me ocorrem para citar alternativas à isso são piegas demais. Mas, parafraseando o slogam do Fórum Social Mundial, digo, para deixar menos obtuso o meu pensamento, que outras metáforas são possíveis.

Abraço!