lunedì, ottobre 01, 2007

Meus olhos se adaptam à luz da tua caverna!!


Dedilhaste com teus suspiros minhas costas nuas
Suspiraste com teu suor minhas entranhas
E suaste com teus poros toda minha alma

Invadiste meus olhos com luz fecunda
Tomaste parte dos meus insanos desejos
Desejaste me entregar tua luz

Adentrei na caverna
E sinto vida no meu corpo,
Sinto vida na minha alma
Estranhamente me sinto feliz!!!

Foto, edição e texto: Fran Rebelatto

7 commenti:

Maria Clarinda ha detto...

Excelente este poema aliado à foto.
Jinhos

rock and blues ha detto...

Adorei muito o poema...
muito obrigado, te adoro menina!

brisa de palavras ha detto...

Quntas vezes a vigem à "Caverna" é tão consiliadora...e nos dá a paz ...

um abraço

brisa de palavras

Joaquim Amândio Santos ha detto...

jamais se chamará sussurro se não nascer do ventre da languidez...

Joaquim Amândio Santos ha detto...

jamais se chamará sussurro se não nascer do ventre da languidez...

vida de vidro ha detto...

Lindíssima foto, em perfeita sintonia com o poema. **

Estranha pessoa esta ha detto...

É. São verdadeiramente estranhos estes momentos...

Como vocês dizem: é gostoso né? ;)

Abraço grande para ti deste lado do Oceano.


Como sempre gosto muito muito das tuas photos. ***