sabato, giugno 03, 2006

Você acredita que se ama pela falta de esclarecimento? Você acredita que a palavra destrói o amor e o beijo cura?

Uma noite de sábado chuvosa propícia para uma leitura calma, reflexões breves e palavras escritas sem muito sentido. Mas, eis que ouço o Jornal Zero Hora ser jogado na porta de casa (do meu irmão, no caso), curiosa sem muito temer abro a porta e pego o jornal, que está um pouco molhado devido à chuva que devagar cai sobre Santa Maria. Sento no sofá, divido o jornal entre os cadernos e vou ao que mais me interessa, adivinhem? Claro que seria o Cultura, e de cara me interesso por uma crônica com o título Sem nome, de Fabrício Carpinejar.

O interesse rápido com certeza foi pelo próprio título do texto, afinal nada mais curioso do que algo sem nome não acham? Bom, mas não foi difícil perceber que naquelas linhas, idéias bem interessantes dividiam espaço com dúvidas que na minha cabeça começavam a se formar. Betinho diz: Que dúvidas são essas??? Então caro amigo Betinho, o jornalista diz que quando não se entende o que se sente é a melhor parte, pois os namorados se beijam nem sempre para beijar, e sim para não ter que falar. A palavra destrói, o beijo cura”. Essas são afirmações que no texto vem permeadas de breves explicações, mas o fato é que eu não fiquei satisfeita e comecei a buscar respostas entre amigos que estavam no MSN, ao invés de afirmações, lancei a seguinte questão Você acredita que se ama pela falta de esclarecimento? Você acredita que a palavra destrói o amor e o beijo cura? Lau diz:Dá pra acreditar que se ama pela ausência do esclarecimento. Mas não por aquela ausência perdida, consentida... Mas sim pela ausência de esclarecimento incompleta, aquela que a gente sabe que - de algum modo - será preenchida pelos encontros, suspiros compartilhados, noites insones e divagações mútuas. Aquela ausência que existe, mas não tem forma. Que grita, mas não se entende. Uma ausência de esclarecimento que (acho eu) é necessária em um princípio, e vai sendo preenchidos com intimidades, respeito, paixão e carinho...

Não foi pouca minha surpresa, por que percebi que essa é uma dúvida que perdura na mente e na vida de todos nós. Dos vários entrevistados não teve nenhum que me respondesse de imediato, alguns até mesmo fugiram do assunto, embriagados pelo medo de demonstrar o que pensam e sentem, mas não estou aqui para julgar, mas para tentar entender. Vejam o que eles disseram: Queli diz: Por que ausência de esclarecimento?Explica...pera aí...ama por que não discute a relação? mais ou menos isso... O que não tem nada a ver...Acho que discutir a relação ajuda a alimentar o amor...Por que talvez conforte...e a sensação é de que se ama mais. A palavra destrói, o beijo cura sim, mas o beijo nem sempre cura o que a palavra destruiu, depende de quanto destruiu...ajuda isso fran...hehehe...hum...Quando tu passas a conhecer muito do outro talvez o amor diminua...to pensando nisso tb? Mas por outro lado quando se conhece melhor o outro e esse outro é o que realmente e a gente espera que seja ...o amor pode fortalecer...as 3 perguntas estão entrelaçadas não é? Tipo a palavra pode destruir o amor....E o beijo pode reavivar a paixão. Ana, na crônica o escritor traz muitas afirmações a esse respeito e segundo ele o “Absoluto entendimento parte da seguinte confusão; será que estou ou não estou amando? Quanto mais confuso, mais intenso”. Mas, é claro que isso gera muitas controvérsias, pois nossas experiências podem nos levar a acreditar em outras hipóteses: Juliano diz:Amar pela ausência de esclarecimento é difícil. Mas a palavra destrói e geralmente o beijo cura isso sim dependendo da dor..Se os problemas são sentimentais/do coração, às vezes o beijo cura, o problema pode ser carência, e contato físico às vezes resolve.

Fabrício Carpinejar afirma ainda que as dúvidas não se encerram por que foram resolvidas, mas se pode definir aquilo que é maior do que a própria vida. Continuando o escritor diz : “Duas vidas juntas são mais difíceis de serem resumidas. Não é como tese , que vem com uma sinopse na primeira página”. Será que meus amigos têm alguma coisa a dizer sobre isso: Betinho diz: Chegamos à conclusão de que um bom relacionamento não é um compromisso sabe.Não é tipo sei lá uma aliança.. É à vontade dos dois...Se os dois viver uma vida só...É errado tem que viver duas vidas...um relacionamento serve para melhorar as duas...não sucumbir uma...então...entende! Augusto - Marvelkipedia no www.cabruuum.blogspot.com diz: Assim é sobre independência nas relações...Qualquer tipo de relação...Quanto mais independente, desde que haja amor, melhor será um relacionamento...Pois a boa relação está na vontade de se estar junto apesar da independência de cada um, o que é bem diferente de ter o compromisso de estar junto, q é o que alguns namoros se transformam.

Sim, é certo que muitas respostas foram dadas, por homens e mulheres que assim como eu tentam diferenciar qual é a melhor forma de se amar e de se apaixonar, mas qual seria a definição de ambos. Amor ou paixão? Aí entramos em outra questão complexa e mais uma vez evitaram dar respostas, por que creio que seja bem difícil encontrar um limite entre um e outro, quando não sabemos o que sentimos. Mas, voltamos ao texto “O casal pode varar madrugadas debatendo o comportamento, o que é certo e o que é errado, o que é justo e injusto, só que não chegará a nenhuma conclusão. Chegar a nehuma conclusão é o Sem Nome”. Queli diz:Fran... segundo um amigo meu q ta aqui, disse que a relação não se discute por que se é relação não precisa discutir. Tiago Brugnara diz: Hum...Eu só aprendi uma coisa na vida, sobre amor e essas coisas todas, nunca se tem certeza das coisas, "só sei que nada sei”, talvez o motivo que te faça fazer essas perguntas seja a respostas afinal “planeja tua vida com se fosse eterna e viva cada dia como se fosse o último”.

Ta , mas não fujamos mais uma vez do assunto caros amigos, a pergunta é Você acredita que se ama pela falta de esclarecimento? Você acredita que a palavra destrói o amor e o beijo cura? DanuZa diz:Acho que o beijo é um analgésico instantâneo...e, na verdade, não só a palavra destrói, mas a não-palavra o faz - e com mais intensidade, creio eu...Só não entendi ao que te referes com "ausência de esclarecimento"...Qual esclarecimento? Sobre a pessoa amada em si, ou sobre o silêncio da pessoa amada, a indiferença dela com o teu amor?Acho que o amor se desgasta com muitos esclarecimentos, mas um amor não sobrevive somente de beijos. Palavras precisam ser ditas. E sou daquela que: "tudo o que cala, fala mais alto ao coração". Prefiro - e preciso - falar, desengasgar.Rezinha diz:Acho que se consegue amar por muito tempo com 'ausencia de esclarecimentos', mas especifique melhor isso...Acho que o beijo nem sempre cura o mal que uma palavra pode fazer.TATO diz: Se a palavra destrói outra deve tentar consertar e não apenas um beijo. Bê diz: Acho que na maioria das vezes se ama pela ausência de esclarecimento sim.Mas quanto ao beijo, acho que ele não cura nada que a palavra tenha destruído, sabe...Acho que pode ate ser às vezes, mas não sempre... É que pra mim as palavras são importantes e o q se destrói, seja com palavras ou ações, raramente se conserta com beijo.

Sei que essa discussão é tão longa quanto esse texto, e sei também que tenho somente feito perguntas, no entanto não dei nenhuma resposta. Mas por que então fiz e continuo fazendo essa pergunta aqui no meu blog? Fiz e farei, por que assim como vocês, vivo em relações e em situações que me enchem de dúvidas e sei que lidar com sentimentos, principalmente com o dos outros, sempre é muito difícil, senão todos seríamos felizes demais nas nossa relações sentimentais. Mas depois de tudo isso, fico me perguntando se demoramos de responder por que sabemos exatamente a resposta, a partir de nossas histórias nos relacionamentos, ou se realmente o homem tem uma limitação muito grande em se entender? Mas, vamos lá, o que eu acho? Concordo com a Laura quando ela diz que de certa forma a falta de esclarecimento é benéfico, pois sabemos que é a aproximação, a convivência que aos poucos vai nos mostrando quem é o outro, sem que esclarecimentos formais precisem ser dados, mas é óbvio que uma pitada de conversa, às vezes, não vai fazer mal a ninguém. Também, não vamos passar uma madrugada discutindo nossas relações, nessa horas os beijos e tudo mais compensa. Quanto à história das palavras e dos beijos, Meu Deus, fiquei admirada como alguns respondiam fácil, pois eu tenho muitas dificuldades, principalmente para falar, prefiro o beijo e acabo me torturando com as palavras na minha mente. Bom ou ruim, pra mim tem sido ruim, mas cada com suas experiências.

Não vou me alongar demais, afinal já está longo por demais esse papo, mas na verdade o que queria dizer é que sempre vamos ter dúvidas sobre tudo que sentimos e isso é muito normal, e que acredito que relacionamento é para ser bom. A partir do momento que te fazer mal deixa de ser relacionamento e passa a ser torturamento (olha quem falando, o difícil é aceitar). E respostas sempre serão buscadas “Enquanto não tivermos palavras para explicar, continuaremos amando” Augusto diz:“Um bom relacionamento não está no compromisso, mas sim na vontade" diria mais na vontade única e exclusiva de ser feliz, aliás como diz meu querido professor Adair, já buscamos o outro para suprir nossas necessidades e gostamos do outro por que gostamos de nós mesmos. Tenho dito, escrito e pouco feito.

Gostaria de expressar meu agradecimento a todos os amigos do msn e da vida que me responderam e colaboraram com esse texto, para aqueles que não tiveram a oportunidade de responder ou fugiram do assunto leiam e se quiserem deixem seu recado. Desculpa por encher o saco e ter dado um nó na cabeça de muitos, a minha também está ainda perturbada...Beijos... e amam acima de tudo, se permitam viver mesmo que não entendam e lutem por aquilo e aquele por quem queiram, não deixem que palavras e ilusões se sobressaim ao que realmente é vivido quando se está presente, olho a olho, toque a toque, beijo a beijo, lágrima a lágrima, pois nada pode ser mais esclarecedor do que o pulsar de dois corpos que se desejam e duas almas inquietas.

6 commenti:

Cláudia Kessler ha detto...
Questo commento è stato eliminato da un amministratore del blog.
Cláudia Kessler ha detto...

Pra mim, pode ser pauta do Rádio Ativo... :)

DanuZa ha detto...

Um bom mosaico, hein, Fran?!
Muito legal!
Valeu a referência! Foi muito interessante refletir sobre isso.
Bjo!

Augusto M. Paim, vulgo Augustóteles ha detto...

Lembrando a todos que o http://cabruuum.blogspot.com também está com uma reflexão este finde! eheheheeh. (e não postamos um espelho, embora fosse bem interessante)

Abraço a todos. bjs.

Carla ha detto...

Sim, pode-se amar pela falta de esclarecimento mesmo - por não saber do outro, e principalmente por não sabermos direito de nós mesmos, em nossas freqüentes confusões - mas concordo com a Lau: uma ausência de esclarecimento que vai sendo preenchida de presenças, carinho, palavras e... beijos... Sim! Eles são fundamentais!!! A palavra pode construir ou mesmo destruir (depende), mas um beijo, sem sombra de dúvida, é capaz de dar início a uma "campanha do desarmamento" entre um casal... Ele cura sim, ele fala coisas que as palavras não têm como codificar!

Bju grande, Fran!
Obrigada por ter conhecido vc, por poder conviver com um ser humano tão profundamente sensível, talentoso e expressivo...

Fernando Cardoso ha detto...

Pela falta de esclarecimento sobre a pessoa amada? Se assim for, quando se ama por falta de esclarecimento, se ama um ideal projetado em alguém que ainda não conhecemos. A máscara cai, mais dia menos dia. E não teremos amado nada além de uma ilusão

Nada destrói tanto como a palavra afiada, carregada de rancor... A palavra amiga não reconstrói. Mas em certas horas são tudo o que precisamos, não custam nada, e por vezes somos privados desse conforto...

O beijo não cura. Pelo menos não deve ter essa obrigação. O beijo (no meu entender) é a celebração do amor, sintonia entre subjetividades, perder-se no outro. Se todas essas coisas curam, é assunto pra outro debate.