domenica, agosto 17, 2008

Relatos de dias cinzas...


Um gosto amargo na boca
o estômago embrulhado
tudo ainda é fétido em mim
da cor das paredes cinzas
do cheiro azedo de velhos tempos....

Um gosto muito amargo na droga da boca
um telefone com vontade de tocar
os cabelos impregnados de cigarro
da cor cinza de uma noite vazia
do cheiro podre de velhas atitudes...

Um gosto ainda mais amargo na boca
palavras escuras rasgadas
mãos cortadas de tanto escarro
e a felicidade momentânea foi levada
pelo álcool, pela insanidade, pela inverdade...

Sou uma poeta infame
que delira vagacidades
numa tarde faminta,
tenho um gosto amargo na boca
e queria apenas sentir fome...
queria apenas acreditar que acordei...

Palavras que são resquícios de um final de semana degradante, que a Fran muito humana, inspira a Fran poeta e imaginária...para rimas nada coerentes e para realidade nada satisfatória...A querem saber foda-se a racionalidade...eu estou sofrendo. POnto. E tenho certeza que a Fran também está, só pra variar.... Mas aprendi que o maior erro na vida é fugir da dor...nada pode servir como válvula de escapa quando se é um eterno romântico apaixonado pela vida. Por isso, eu vivo minha dor, incolor...e hoje sem sabor...

1 commento:

ClariDeggeroni ha detto...

Não sei é o maior erro, mas um dos maiores erros da vida é fugir da dor, sim.