venerdì, marzo 30, 2007

Jogo!!! Xeque-mate, então!!!

Jogo? Quem sabe, mas enfim o momento da conquista é algo que me fascina. Vai dizer desperta uma sorriso inusitado no meio dos dias corridos e muitas vezes sem sentidos. Traz à tona uma breve vontade de ir até o espelho e dar uma olhada na caída da roupa. E o mais importante aquele brilho no olhar que se reflete nas nossas mãos úmidas, nos nossos pés atrapalhados, na nossa voz nervosa e no nosso olhar baixo.



E por falar em olhar, vamos falar do jogo, sim, por que a conquista é um jogo, creio que o xadez, sim, cavalos, bispos, rainha e rei. E então xeque-mate, mas calma lá, antes de falarmos em fim de jogo, vamos as suas etapas.

Conquistar, é estudar a sua jogada! Um olhar baixo, e devagar no olho, mas nada abrupto, tudo com muita cautela assim as coisas ficam mais nervosas, afinal não temos por que mostrarmos de cara nossa jogada deradeira. Mas na conquista há os bispos, os cavalos.



Os bispos não pela religiosidade, pelo que é pecado ou não, mas pelos impecilhos, sim, por que conquistar se pode a qualquer hora e a qualquer pessoa, mas isso nem sempre quer dizer que essa conquista é conveniente. Padrões, valores, certo ou errado. Mas quem disse que a conquista leva em conta isso? Capaz ela faz um caminho próprio no tabuleiro e quase chega até a outra linha.

Digo quase, por que antes de comer o rei, prender a rainha, enfim, tem que ter sedução, palavras ditas e não ditas, frases feitas e mal-feitas, mais um pouco de mistério. Afinal não falamos de um esporte fácil como futebol que se resolve em 45 minutos, falamos de um jogo inteligente (não que o futebol não seja), minucioso, lento e fascinante.

Mas o rei ta ali, a espera da melhor hora, a rainha cautelosa se faz bela, para o momento derradeiro. E entre o começo do jogo e o fim existem milhares de jogadas, de peripécias, de idéias. De olhares, de palavras, de toques, de sorrisos.



No fim o que queria dizer com tudo isso, é que não falo apenas da conquista entre dois meros seres humanos, sejam eles de quaisquer sexo, mas falo da conquista pelas coisas, pelas pessoas, pelo trabalho, pelo dias e por que não pelas noites, pelos amigos. Falo da conquista diária pelas razões de viver, da paixão diária por nós mesmos. E por que não, então, em meio a tudo isso, uns olhos verdes, negros, enfim uma pele morena, inteligente. Huahauahauahuaah...Sinto-me apaixonada pela vida e isso me faz melhor. Xeque-mate! Ou quase lá!

6 commenti:

delusions ha detto...

Que post tão interessante e alegre. Fico contente que a vida te faça pensar assim e ver a beleza do jogo.

Bjs* e bom fim-de-semana

Bia ha detto...

Apaixonada pela vida! Só nesse estado conseguimos jogar e no final fazer cheque-mate!
E tens razão uns olhitos verdes, ou castanhos... pelo meio só vêm completar a beleza que é viver.
Aproveita bem esse teu estado e faz com que ele perdure1
bom fim de semana.
beijinhos bons

Paulo Chagas ha detto...

O jogo da conquista só termina com o fim da vida quando conquistamos o silêncio

Nelson Ngungu Rossano ha detto...

Só alto astral e energias positivas...

Mantem-te assim

=)

Bj e bom domingo pra ti, pois aqui vai chover... =(

para sempre ha detto...

Mas que belo trabalho!

Francieli Rebelatto ha detto...

Delusions!!

Que bom que divides comigo tal possibilidade de alegria!!!

Bia!!!
Jogar, final, olhos, sim aproveito esse estado constantemente, como aproveito a possibilidade de ser intensa nessa vida...obrigada por estar sempre presente, nas palavras e nos olhares!!!

Paulo!!!
Sim, somente quando o silêncio abater e então as possibilidades de se apaixonar se esvair, mas aí vamos amar tb o fim, também a possibilidade de sermos denovo, quem sabe!!!!

Nelson!!!
Obrigada pelas energias positivas e vibrantes do mar!!!

para sempre!!!
Sim, sempre um bom trabalho, para sempre..Obrigada por sustentar com poucas palavras, tal sonho!!!

Uma ótima semana para todos!!!