domenica, gennaio 14, 2007

Ilusões, Frustações e cadê a criança que existia em mim?

Creio que quando se é criança a vida é mais fácil! As ilusões não são percebidas e as frustações são tão pequenas, menores que nosso tamanho. Quando criança nos apaixonamos de verdade pelas coisas e batemos o pé quando as queremos. A nossa curiosidade de criança nos faz mais versáteis, mais poderosos. O limite é o dedo na tomada, é o pote que caí de cima do armário, é a palmada na mão.

Foto: Márcio Santos, na UFSM.

Às vezes tento ser criança, mas aí percebo já saber que dedo na tomada da choque; o pote não vai cair por que sou alta o suficiente para alcançá-lo e as palmadas da mãe vão ser substituídas por conversas demoradas, e muitas vezes incompreensíveis.

Quando deixamos de ser criança perdemos a emoção pela vida, a emoção de ver um verdadeiro olhar e levamos choque mesmo sem o dedo estar na tomada, derrubamos situações por não percebemos sua beleza, e não ouvimos a mãe, pois esta está longe.

Quando deixamos de ser criança percebemos que as ilusões nos machucam, que as frustações nos pertubam e que as paixões... Bom, as paixões nos deixam assim, chorosos, poetas, descrentes...porém vivos e com um restinho de brilho no olhar de quando éramos criança.

Este post é totalmente Francieli Rebelatto sem nenhum devaneio poético, sem nenhuma perspectica de mascarar a própria vida. É a Fran, tentando justificar seus erros por ser apaixonada e ainda muito emocionada com a vida. É a Fran se decepcionando com as ilusões, chorando pelas frustações. É a Fran lutando por vencer uma grande paixão. E acreditem é a Fran admitindo que não consegue ter domínio de seus sentimentos. Pois ela, aliás eu, amo de verdade a vida e tais olhos.

Pronto, agora fecho as cortinas, tiro o figurino e espero o público me aplaudir, nos batidores choro pois mais uma vez perceber que a personagem fui eu mesma.

3 commenti:

ClariDeggeroni ha detto...

Ela está ai Fran dentro de ti... Mas como ouso dizer isso? Acredito que todo ‘inconformado’ tem uma criança dentro de si. Inconformado é aquele que olha para o pôr-do-sol como se nunca o tivesse visto. Inconformado é aquele que não aceita que o mundo seja tão mau. (É a criança protestando!). Inconformado é aquele que é movido pela paixão. (Traduzida pelo mesmo brilho no olhar que a nossa mãe teve quando nos viu pela primeira vez!). Inconformado é aquele que acha que sempre pode aprender. (E criança não é um ser que tem um potencial enorme?).
A criança interior está lá, no nosso interior, protegida por nós, mas às vezes precisamos levar um puxão de orelha dela por sermos adultos mal-comportados, ai ai ai.

Francieli Rebelatto ha detto...

De fato Clarissa, que bom que ainda temos sensibilidade suficiente (e últilmamente muita mesmo) de deixar essa criança desabriochar de nós e protestar tudo que lhe é possível, mas a minha criança sofre, pois percebe que cresceu e quando se cresce sofremos mais...pois nos damos conta de que a inocência do nosso olhar, não é a mesma de todos os olhares...

Obrigada pela visita Clarissa e pela tua presença na minha vida...

o alquimista ha detto...

E eu adorava encenar o teu personajem, porque tens corajem, és verdaeira e sincera, frontal e um mar de humanidades...ha! E gosto muito de ti!

Doce beijo