venerdì, novembre 10, 2006

Desacreditei dos meus próprios olhos verdes...

Meus desassossegos tomam conta da minha vida, da minha roupa, da minha energia. Queria então me despreender de tais dúvidas, lamúrias, incertezas. Devastaria minhas fraquezas nos prados inquietantes na qual transformei minha vida.

Perdida, quieta não mais tão bonita. Seria então, melhor, pior, uma nova pessoa, seria o que deixei de ser, o que passei a enganar, a desfazer. Não sei, se os traços seriam os mesmos, se as desavenças caberiam.Mas o fato é que magoei, tripudiei a vida, as palavras, a mim, a tu. Desfiz o desespero da minha vida, através do que não merecia, do que não deveria, chorei, ri, pensei, me acabei...

Quero então voar, fugir, renascer, desabafar, gritar, ser, desfazer, tecer, compartilhar... Quero esquecer, quero tirar de mim tudo que me fizeste ser, tudo que me fizeste temer...Sou, o que não fui, fujo do que tenho medo, temo o julgamento do tempo, já que teus olhos me julgaram, me romperam...


Perdi o que sempre prezei em minha vida, perdi a dignidade que via em teus olhos, a sinceridade que tive de tuas palavras...Me perdi, me enganei, me deturpei, me fiz pequena, quando tudo sempre foi grande.

Agora? Não lhe peço perdão, por que eu mesmo ainda não fui capaz de me perdoar, por que eu mesmo lamento o que me tornei, o que escolhi para me desvincilhar do que na verdade eu mesmo tracei. Não sou, não quero, não me tente, não convém...

Fui, foste, fomos, agora apenas vago de mansinho tentando traçar novos caminhos...Arrependo-me de ter me enganado tanto, de ter resistido tanto, de ter mentido pro mundo que sempre me teve nos braços, agora me escondo no manto das minhas próprias fraquezas...


Desculpa queridos leitores, minhas palavras tão devastadoras e lamentosas, mas sempre acreditei que é difícil isentar nossas poesias da nossa vida, dos nossos sentimentos, e como diz um amigo é nos momentos de maior depre que as melhores coisas são escritas, não sei se as melhores, porém creio que as mais sinceras...Mas o que me leva a estar assim?? Tantas coisas, tantos enganos e dúvidas, na verdade tudo não passa de uma atitude perversa que acarreta tantas outras coisas ruins, mas aos poucos o coração vai apaziguando tantos erros e devagar a fênix vai encontrar forças para renascer, espero que com o mesmo brilho que sempre teve, mesmo que isso seja difícil de acreditar. Pois eu mesmo deixei de acreditar nela, ao menos por enquanto.

3 commenti:

Bia ha detto...

Olá! bem me parecia que não estavas nada bem, o que escerveste é de tal forma profundo que é inquietante mesmo para quem te lê.
Espero que te encontres, que te recuperes e acima de tudo que o sol volte a brilhar em tua vida.
Quando desacreditamos é tão dificil e triste ao mesmo tempo.
eu entendo-te bem, um beijo. Se precisares sabes onde eu estou.

Anonimo ha detto...

Oi Francieli
Acabei de ler o teu texto, muito sentido! É tanta a força que empregas nas palavras que nos causa arrepio. Gostei

Bom fim-de-semana
Beijinhos

Cocas ha detto...

Olá

Estou sem palavras...mas passei pelo mesmo, pelo desencontro do meu "eu" pelas coisas que fiz, mas continuarei a fazer, porque nada é premeditado, mas com a certeza que sou uma pessoa melhor e tenho a memsma certeza em relação a ti...
Beijos